04/01/2009

PSSST!


Desculpas, desculpas…
Isto das crónicas de jornal não é apenas para zurzir. Também há um lado útil. Como esta é a primeira do novo ano, pensei fornecer algumas boas desculpas para usar em 2009 (algumas, pois só tenho 1.500 caracteres…).
NÃO VI. Como usar? Vai aqui um exemplo: no hipermercado, na fila destinada a poucas compras, você tem uns miseráveis 4 artigos e descobre, estarrecido, que a pessoa à sua frente tem, pelo menos, 359; interpela o funcionário, que pouco diz ou faz, por educação ou receio; a dita pessoa olha para a placa e riposta, com soberba, que não viu; e adianta: “Mas se quiser passe à frente!”, sendo que você balbucia um deixe-estar-eu-espero. NÃO VI (que é primo do NÃO ME OCORREU ou do NÃO TINHA A CERTEZA) é uma excelente desculpa, serve para todas as situações, desde o simples encontrão até complexos artigos estatutários.
E se você tomar uma decisão pública muito pouco popular, vir-se sem apoios e não souber o que fazer? Ora, apoie-se na lei: A LEI PREVÊ é uma desculpa magnífica, até porque a esmagadora maioria não conhece a lei. O que não serve de desculpa…
Não vi o sinal, foi o meu colega, não nos responsabilizamos, vai ter de aguardar, não nos pagam para isso: sucesso garantido!
Mas a desculpa de estouro é — ou há-de ser, que a procissão ainda vai no adro — a crise. Se houver algum medidor para o efeito (e proponho desde já um utilíssimo «desculpómetro»), aposto que É A CRISE ganhará aos pontos qualquer outra. Use, mas cuidado, não abuse… pode ser que lhe digam a si. Excelente 2009!

Publicado no Açoriano Oriental a 4 Jan 09

4 comentários:

Su disse...

ehehehe, as tuas crónicas fazem as nossas delícias! Esta então está de estouro, para iniciar o ano em beleza!

Filipe Machado disse...

A isto dou o nome de falta de civismo!!! É essa e a fila de automóveis na rua da praça para entrar no parque de estacionamento lotado! Ficam a aguardar na via, o tempo que for preciso, até que saia uma viatura. É preciso ter lata!!!

Zézinho disse...

Por ser a primeira do ano, desculpo os erroszitos de caligrafia.
ÁH como a lingua portuguesa é traiçoeira, mas as borbulhas "dou Champagne" ainda se sentem. E sim É A CRISE que ganha tudo nos tempos que correm, por mim tem o meu voto.
BJS

Maria das Mercês disse...

Renata, amiga, tens toda a razão: lá está o malfadado verbo!!! LSD!!!